sábado, 10 de abril de 2010

A Rosa de Tóquio (Tokio´s Rose)

O Rádio como instrumento de terror

Durante a guerra, o rádio teve papel fundamental nas ações com fins de disseminar o terrorismo entre as tropas inimigas. Nesse campo os japoneses foram campeões, espalhando mensagens, que visavam incentivar seus soldados e ao mesmo tempo abater o moral das tropas do principal inimigo, no caso os norte-americanos.
Uma das mais famosas figuras deste período foi a dona de uma vóz bastante sensual que trasmitia mensagens em inglês para tentar abater o moral das tropas americanas no Pacífico que ficou conhecida pelos soldados como a "Rosa de Tóquio".

Ficção ou realidade? Quem foi a famosa Rosa de Tóquio?


Ela realmente existiu!

Iva Ikuko Togui

“A vóz sensual do Pacífico”

Nasceu em Los Angeles em 4 de julho de 1916, filha de imigrantes japoneses, donos de um supermercado. Formou-se na Universidade da Califórnia, Los Angeles em 1940, com licenciatura em zoologia, na esperança de se tornar médica. No verão de 1941, visitou uma tia doente em Tóquio, a pedido de sua mãe. Como deixou os EUA rapidamente para esta viagem, não houve tempo suficiente para o Departamento de Estado emitir o seu passaporte, na realidade ela carregava um Certificado de Identificação, que supostamente seria suficiente para permitir que voltasse aos EUA oportunamente. Tentou retornar em novembro de 1941, mas foi recusada, as autoridades americanas afirmavam não existir provas que Iva era de fato uma cidadã americana.
Quando a guerra foi declarada entre os EUA e o Japão no dia 7 de dezembro de 1941 após o infame ataque japonês a Pearl Harbor, foi presa no Japão. Depois tentou aumentar sua renda com um trabalho em rádio por lá.
Fez tradução e eventualmente algumas transmissões de rádio. Seu trabalho foi classificado como propaganda japonesa, e incluiu também a reprodução de músicas populares para as tropas de combate dos Estados Unidos no teatro do Pacífico. Ela se tornou conhecida como a Rosa de Tóquio (Tokyo´s Rose).
Em 1942, obteve um emprego na Agência de notícias Japão Domei, monitorando transmissões militares americanas e no final de 1943, ela tornou-se locutora e discotecária para transmissões de propaganda na Rádio de Tóquio e algumas gravações musicais em inglês no programa "Zero Hora".
Continuou a trabalhar para a Rádio de Tóquio em 1945, casou-se com Felipe D'Aquino, funcionário da Agência Domei de Notícias que tinha cidadania portuguesa, mas de ascendência japonesa.




Quando a guerra terminou em entrevistas a repórteres americanos admitiu ser ela a dona da voz da Rosa de Tóquio. Evidentemente não presumiu que sua grande notoriedade seria levada em conta pelos militares americanos, imaginou apenas que sua história intrigante embelezaria sua biografia ante aos leitores da América nos artigos publicados nas revistas mais lidas na época.
Mais tarde ela negaria ter sido a Rosa de Tóquio.
Como conseqüência desta publicidade foi detida, interrogada e sentenciada pelas autoridades de ocupação.




Iva foi julgada e condenada por traição, com sentença de 10 anos de prisão, cumpriu seis anos e dois meses no Reformatório Federal para Mulheres Aderson em West Virginia. Nesta mesma prisão cumpriu sua sentença também pelo mesmo motivo a americana Mildred Gillars (história no próximo post). Seu marido Felipe após sua condenação voltou para o Japão e nunca mais foi visto por ela.
Depois de libertada viveu tranquilamente em Chicago, cuidando de uma loja de presentes da família. Em 19 de janeiro de 1977, ela foi perdoada, sem comentários, pelo presidente Gerald Ford em seu último dia no cargo, restaurando a sua cidadania.

Abaixo seu obituário:

“ Morre Americana conhecida como Rosa de Tóquio"
Por Richard Goldstein The New York Times
Publicado em: 27 de setembro de 2006

Iva Toguri D'Aquino, nipo-americana acusada de traição em 1949 por propaganda de radiodifusão do Japão para militares dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial como a sedutora, mas sinistra Rosa de Tóquio (Tokyo´s Rose) morreu terça-feira 26 de setembro em Chicago. Ela tinha 90 anos. Sua morte deu-se em um hospital de Chicago, foi confirmada por um sobrinho, William Toguri, que disse apenas que ela morreu de causas naturais.
Tokyo´s Rose era uma figura mítica. Uma pessoa de origem obscura, que foi apresentada pelos militares americanos como uma das doze
mulheres que transmitiram para a Rádio de Tóquio, dizendo aos soldados, marinheiros e fuzileiros navais americanos no Pacífico que sua causa era perdida e que voltassem para casa pois suas namoradas e esposas os estavam traindo na América enquanto eles combatiam.


Bombadeiros americanos que lançaram suas bombas sobre Tóquio em resposta aos ataques a Pearl Harbor levavam pinturas que faziam menção a Rosa de Tóquio



Em 1949 quando a Rosa de Tóquio foi a julgamento, outros cinco norte-americanos tinham sido condenados por traição em ações na guerra, quatro por transmissões de rádio para os Alemães, notadamente uma das mais conhecidas foi Milldred Gillars (próximo post), conhecida como Axis Sally.

fonte
(textos e fotos)

Pesquisas do autor deste blog, e outros sites e blogs da internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário